As Greves Gerais surtiram efeito no Brasil?

Greve, é a cessação coletiva e voluntária do trabalho realizado por trabalhadores com o propósito de obter direitos ou benefícios, como aumento de salário, melhoria de condições de trabalho ou direitos trabalhistas, ou para evitar a perda de benefícios. Por extensão, pode referir-se à cessação coletiva e voluntária de quaisquer atividades, remuneradas ou não, para protestar contra algo (de conformidade com a “Consolidação das Leis do Trabalho”). Os movimentos grevistas são uma potente arma da sociedade, com eles podemos lutar contra abusos que não concordamos e conseqüentemente pelos nossos direitos. No decorrer dos anos no nosso país, vários movimentos grevistas foram organizados, alguns surtiram grandes impactos no nosso contexto histórico, outros nem tanto. A questão de reflexão é a seguinte: esses movimentos surtiram efeitos positivos com o decorrer dos anos? Durante o decorrer do texto, vamos chegar a essa conclusão.

Em geral, a greve não é uma opção. A greve é resultado de um processo de grande insatisfação e da ausência de negociação com os patrões ou com os órgãos públicos. A greve é uma forma superior de luta, o despertar da consciência dos trabalhadores, de nos entendermos como parte de uma classe e nos vermos representados por uma instituição própria, que é o sindicato. A primeira greve de expressividade significativa no Brasil foi em 1917 e contou com 50 mil trabalhadores da indústria e do comércio na cidade de São Paulo. Era um momento de crise decorrente da I Guerra Mundial e de influência da Revolução Bolchevique que ocorria na Rússia. A greve teve forte adesão e sua direção tinha como expoentes dirigentes anarquistas e socialistas, muitos deles imigrantes europeus. A pauta continha reivindicações econômicas e políticas. Mesmo com esse grande marco, a volta da greve geral como uma ferramenta de coerção da sociedade, só voltou em 1983.

Nos anos de 1980 ocorreram três greves. Em 1983 o país se encontrava sob a condução da política econômica do Fundo Monetário Internacional, com desemprego elevado, salários arrochados, inflação e taxas de juros em alta. A greve contou com a participação de mais de dois milhões de trabalhadores e estima-se que quarenta milhões de pessoas foram afetadas pela paralisação dos transportes. A segunda greve geral veio em 1986 que teve como centro reivindicações econômicas, o fim das privatizações e o não pagamento da dívida externa. Era ainda um momento de crise econômica, com o fracasso dos planos econômicos do governo Sarney. Cerca de 25 milhões de pessoas aderiram ao movimento grevista. E a última greve geral do nosso país foi em 1989, onde, novamente um plano econômico é questionado, o Plano Verão, e reivindica o congelamento de preços, reposição das perdas salariais e fim do desemprego. É estimado que a greve tenha atingido 35 milhões de trabalhadores.

Agora voltamos a nossa questão inicial, esses movimentos surtiram efeitos positivos com o decorrer dos anos? Sim! O Brasil ainda não é um país que anda corretamente nos trilhos, mas sem a voz ativa dos trabalhadores, que fizeram diferença no passado, o país poderia ter tomado rumos piores. Mesmo com a crise política que estamos presenciando atualmente, é preciso lembrar, que unidos somos um Brasil mais forte! A voz dos trabalhadores deve ser absoluta, devemos lutar sempre pelos nossos direitos, de forma limpa e honesta.

Foto: Mayara Toyama

 

 

Escritor da semana – Jonathan Souza

Diretor de Marketing da Alfa Pública Jr.

 

 

 

 

 

 

Foto capa: Danilo Fonseca

Deixe uma resposta

Tamanho da Fonte
Auto Constraste